skip to Main Content
Copinha 2019: Resultados Da 3a Rodada

Copinha 2019: Resultados da 3a Rodada

Prezados Torcedores Responsáveis,

Seguem, abaixo, os resultados e comentários da 3a Rodada da Copinha do Mundo 2019!

No Álbum da Copinha 2019, as fotos da rodada – por Ilan Pellenberg

Egito 5×1 EUA (sub-10)

Com grande exibição da equipe e em especial do pivô Daniel Baptista, o Egito conseguiu uma excelente vitoria contra a habilidosa equipe dos EUA!  Com nova formação e marcação eficiente, os egipcios obtiveram o controle do jogo ao longo da partida. No segundo tempo, com 2×1 para nós, a equipe adversária apostou no goleiro-linha. Nossa marcação, muito aplicada, compreendeu a nova forma de marcar e “encaixou”. Dessa forma, conseguimos mais três gols que deram numeros finais à partida! Seguimos em busca da classificação! Vamos com tudo!

Grécia 1×4 Suécia (sub-14)

Sofrendo com o estilo de jogo da equipe adversária, não conseguimos bloquear as ligações diretas do goleiro para o pivô. Até iniciamos bem e demonstramos valentia ao longo da partida, mas não foi o suficiente para conseguir um melhor resultado!  Vamos com tudo em busca da classificação na próxima rodada!

Coréia do Sul 2×0 Rússia (sub-10)

Num jogo difícil e emocionante, apresentamos boa marcação, pressionando o adversário. A Coréia é um time que produz muito, sempre apresenta volume de jogo – mas precisa saber definir a partida. Abrimos o placar e estávamos melhores, mas a Rússia não se entregava. No segundo tempo eles vieram dispostos a empatar e tiveram chances, mas Diego Bastos fez lindas defesas (se redimindo de um ou dois sustos que nos deu na primeira etapa); e Guga salvou uma bola em cima da linha, vibrando demais, para delírio da galera! Ao final, voltamos a nos impor e fechamos o placar em ótima jogada de Francesco, com finalização de Pedro Brotas! Vitória merecida de um time que tem apresentado ótimo futsal e vai lutar pela classificação!

Costa Rica 0x4 Paraguai (sub-10)

Sentimos demais dois desfalques, que fazem parte do que chamamos de base do time – jogadores mais habilidosos, experientes mesmo, que dão uma sustentação para as oscilações da partida. Jogamos, assim, sem reservas – mas mantivemos nossa proposta. Levamos gol bobo logo na saída, mas a partir daí nos lançamos ao ataque com Pedro Vieira, ainda que com dificuldades. Marcamos pressão e o primeiro tempo terminou com placar mínimo, fazíamos boa partida dentro das limitações impostas. A partir do terceiro gol adversário, no entanto, não tivemos mais forças para reagir e o placar acabou dilatado. O treinador pôde exaltar a valentia da equipe e a proposta de jogo cumprida. Esperamos jogar completos na próxima rodada!

Espanha 3×4 Colômbia (sub-8)

Não foi dessa vez que a equipe espanhola conseguiu pontuar na competição. Novamente em jogo de tirar o fôlego, demonstramos bravura, com jogadores que não desistem e não fogem das divididas! Levamos um gol no primeiro minuto de jogo mas, com calma e cumprindo o que foi treinado e proposto, buscamos o empate em duas oportunidades. No final, quando o placar marcava 3×3 e estávamos melhores na partida, acabamos tomando o gol que deu números finais. O destaque da equipe ficou com Pedro Duarte, que jogou em duas posições diferentes e ainda marcou seu gol! Vamos em busca dos primeiros pontos na próxima rodada!

Costa do Marfim 0x2 Bolívia (sub-12)

Fizemos bom jogo, mas não o suficiente para sair com a vitória. Tentando pressionar a saída de bola do adversário e construir as jogadas valorizando a posse de bola, pressionamos e fomos até superiores em boa parte do jogo. Em dois lances de falha na marcação individual, no entanto, a equipe foi vazada e, embora tenha finalizado em condições de marcar logo em seguida, não conseguiu tirar o zero do placar. É preciso mais atenção e, talvez, mais gana de vencer, de jogar acreditando na vitória! Destaque para Pedro Zammataro, o Peps, que não desiste da partida e busca obstinadamente, com sua habilidade, fazer o time andar!

Islândia 1×2 Japão (sub-12)

No primeiro tempo o Japão saiu à frente no marcador, em chute de longa distância. Buscamos alternar a maneira de marcar para obstruir as ações adversárias, com sucesso em algumas ocasiões. Importante lembrar que jogamos com dois desfalques, isso faz muita diferença… Com a bola, as melhores oportunidades surgiam dos pés de Lourenço e Antonio Salomone buscando intensa movimentação. A vantagem japonesa, ainda assim, foi ampliada no segundo tempo. A Islândia, mostrando valentia, diminuiu – mas não havia tempo para buscar o empate.

 

Suíça 1×2 Polônia (sub-14)

Apresentamos bom futsal, mas não conseguimos converter as chances criadas em gol – assim saímos atrás no placar ainda no primeiro tempo. Após um belo gol de empate do Guga (Gustavo Portela), a Suíça foi pra cima em busca do gol da virada e pressionou o adversário – mas acabou levando gol no último minuto, em lance polêmico de uma possível falta não marcada em João Naliato. Restou manter o espírito esportivo, reconhecer os méritos do adversário e treinar forte para buscar a classificação na última rodada!

 

Itália 1×1 Portugal (sub-10)

Conseguimos executar marcação pressão em cima de Portugal, mesmo com o forte calor no ginásio. Com a bola, buscávamos os espaços e, em boa trama, Martin escapou pela direita e fez 1×0! Seguimos dominando o jogo, perdendo chances para ampliar o marcador. No segundo tempo o panorama não mudou muito, embora o adversário tenha se apresentado melhor do que na primeira etapa. Para nos lembrar que é preciso saber definir a partida, levamos gol nos instantes finais, num dos poucos momentos em que a marcação atrasou um segundinho. Futebol é duro… Mas a Itália está no páreo, tem se apresentado muito bem e vai buscar a classificação!

***

Foi uma rodada difícil pra nós, com poucas vitórias. Mas isso é bastante contornável, a meninada veste a camisa e segue firme. O que é mais difícil é outra coisa.

Naturalizou-se, no Brasil, a crença de que o torcedor, esse da arquibancada, pode fazer o que bem entender. Digo, como se não existisse, também, uma responsabilidade na maneira como se comporta num evento esportivo, ainda mais lidando com crianças e adolescentes.

Na Copinha e no Chutebol, ambientes nos quais lutamos para manter a boa conduta esportiva, temos tido sucesso de uma maneira geral, por isso fica tão legal jogar, trabalhar, torcer. Mas tem havido excessos de familiares torcedores que não podemos aceitar. As coisas precisam ser ditas.

Os professores já relataram nessa competição: levar um tapa de avô de aluno; ser pressionado para escalar ou substituir fulano ou sicrano por telefone; ser pressionado para colocar fulano ou sicrano com familiar invadindo a área de trabalho do profissional; aluno abandonando a competição na metade porque o responsável não concordou com a opção do treinador; familiares competindo com o treinador da arquibancada, saindo completamente de seu lugar e confundindo a criança com orientações pessoais; pessoa adulta dando o dedo do meio, em plena arquibancada, para um grupo de crianças (!!) que torcia contra seu time sem ofender a ninguém.

Nada disso deve ser considerado natural. Não pode ser.

Torcer é incentivar, apoiar, gritar, se emocionar. Do lugar do torcedor. Os treinadores e as crianças irão errar, mas nos seus lugares. Os profissionais, nesse nível escolar de competição, devem ser cobrados por sua postura pedagógica com alunos e alunas – e não por resultados ou escalações. O que não impede uma boa conversa sobre futebol, estratégias, escolhas, mas fora do momento do jogo.

A violência que impregna o ambiente do futebol no Brasil é um problema grave que deve ser combatido.

A responsabilidade em educar pelo esporte é ação conjunta de familiares e professores. Para que eles joguem, se divirtam, aprendam a ganhar e perder dentro de quadra e aceitando as regras e limites do jogo, é preciso que a arquibancada também tenha seus próprios limites.

Contamos com vocês!

Aquele abraço, saudações esportivas

Copinha 2019Parceiro Sou do Rio

This Post Has 7 Comments
  1. Gostaria de parabenizar todos os profissionais do Projeto Chutebol.Não pude ver e torcer pela equipe do meu filho, Pedro Duarte, mas apesar da equipe não ter conseguido pontuar, vejo uma clara evolução dos meninos e meninas. Meu filho está bem, com certeza aprendendo muito mais nos resultados negativos da equipe, do que se fosse o contrário.
    Triste por não ter visto o gol e a atuação dele (Pedro), no último domingo, mas feliz por saber que todos foram bem.
    Pedro tem sorte de ter vcs como professores!
    Abraços

  2. Gostaria de agradecer e parabenizar, mais uma vez, toda a equipe pelo belíssimo trabalho! Soube por pessoas próximas de um ocorrido lamentável e rapidamente uma pessoa de sua equipe agiu com energia e sensibilidade.

    Parabéns pelo profissionalismo, valores, carinho, cuidado e amor com que exercem o trabalho de vocês!

    Forte abraço e saudações esportivas

  3. Aproveito pra te agradecer desde já por esse ano. Antonio é imensamente feliz as quartas e sextas no horário das aulas – mesmo quando parece rabugento.
    Ele simplesmente adora estar lá e eu sei que você e o Tiago têm toda a responsabilidade nisso. Então, muito obrigada!

    Sigamos juntos!
    Bjos

  4. Parabéns em especial pelo trabalho na Copinha e solidariedade na defesa dos valores pregados. A prova de que eles funcionam em quadra é o baixíssimo número de faltas nos jogos (no último jogo do Dani só teve uma, que ele mesmo fez, por sinal, rsrs…). Fora de quadra, a gente espera conseguir fazer a nossa parte de torcedor. 🙂 É sempre um prazer ir aos jogos e já assistimos jogos ótimos em todas as categorias (mesmo na sub-8).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Back To Top